terça-feira, 7 de junho de 2011

O MAR PORTUGUÊS


FRAGATA "COMANDANTE JOÃO BELO"


O MAR PORTUGUÊS


 
  
Assim se aprende a ser marinheiro
O Mar foi o principal impulsionador para a expansão de Portugal no Mundo. Desenvolveu o seu comércio e formou o seu Império ao longo de séculos. Tudo à custa de uma energia  gratuita, que fazia movimentar as suas frotas; o vento! Os nossos antepassados souberam usufruir muito bem, o que havia de bom na Natureza:- O Mar e o Vento!
Portugal, tem o privilégio de ser um país beneficiado pela imensidão do  Mar, que o  acompanha, desde o Continente, até aos Arquipélagos da Madeira e Açores.
Portugal tem uma superfície territorial de 92.000 Km2 e uma Zona Económica Exclusiva (ZEE), de 1 milhão 658 mil Km2, tornando o nosso pequeno país no 11º, ao nível mundial. Com os novos acordos a decorrer, esta ZEE, ainda poderá  ir  para 3,6 milhões de Km2.
Será no fundo dos  oceanos, que se encontram as riquezas e os bens por descobrir.
Não é só na superfície, que  o Mar nos poderia ajudar. A parte subaquática é bastante rica, não só em peixe, mas também em minerais, produtos químicos, medicinais e outros materiais.
O Mar português, está ainda por explorar e se Portugal não aproveitar a sua exploração, outros virão que o farão!!!!
Portugal não deve demitir-se da sua soberania marítima. Se o fizer, todas as responsabilidades marítimas de Portugal  seriam logo ocupadas, por outros países, especialmente pela Espanha.
Lembro-me de em um dos discursos do Sr Presidente da República Cavaco Silva, dizer, que a recuperação da nossa economia, passava pelo Mar!
Utilizando o Mar como "Auto Estrada", encurtariam-se as distancias e os gastos.
O Mar português está abandonado. Portugal tem que aproveitar, o que a Natureza nos proporciona, se não o fizerem, deixamos de ser quem fomos ao longo de séculos.


António da Silva Martins, (Marinheiro Radarista nº 1330/66)  



A REALIDADE ESTÁ A APARECER!!!
(http://www.youtube.com/watch?v=71J8Yqykgs0&feature=em-subs_digest&list=TLa-vOTMCbY7w)
Reino Unido Recursos fundo do mar, uma subsidiária integral da Lockheed Martin UK, em parceria com o Departamento de Inovação Empresarial e Competências, recebeu uma licença e contrato para explorar uma área de 58.000 quilômetros quadrados do Oceano Pacífico para o mineral rico em nódulos polimetálicos.


A última vez que ouvi falar de um grande esforço para extrair nódulos de manganês, foi uma reportagem de capa para o Projeto açoriana da CIA (aka Jennifer), a Hughes Glomar Explorer, eo Barge Mining Hughes - que coincidentemente foi usado mais tarde pela Lockheed como o dique seco para construção e habitação do Sombra Mar. Então, vai se recuperar mais sub perdidas? ;-) (Kid I, que era apenas divertido.)




CRABSTER CR200 (KIOST) - (CARANGUEJO ROBOT)


Pesquisa e recolha no fundo dos oceanos






O  MAR PORTUGUÊS - VÍDEO DA MARINHA DE GUERRA PORTUGUESA






MARINHA DE GUERRA PORTUGUESA 
 VISÃO ESTRATÉGICA


Publicado em 08/05/2012 por 

A Marinha é uma Força essencial na protecção da última fronteira externa que Portugal tem no espaço Europeu - Fronteira Marítima - onde se podem materializar um conjunto elevado de ameaças à soberania - velhas e novas, à economia, à capacidade de influência no seio das alianças e da comunidade internacional, principalmente num país quase arquipelágico como é Portugal.
De acordo com o definido no Decreto-Lei nº 49/93, de 26 de Fevereiro:
A Marinha tem por missão cooperar, de forma integrada, na defesa militar da República, através da realização de operações navais.
Sem prejuízo da missão referida no número anterior, a Marinha desempenha, também, missões no âmbito dos compromissos internacionais assumidos e missões de interesse público.
As missões específicas da Marinha são as definidas nos termos da lei.
Em termos gerais, pode dizer-se que a "Marinha é a garantia da soberania e protecção dos interesses dos portugueses e do Estado, no e pelo Mar".
A dimensão e importância da Marinha revela-se nas actividades que desenvolve nestas duas áreas distintas.
As actividades de carácter militar e diplomático compreendem:
A defesa do território nacional;
A protecção da diáspora portuguesa no mundo;
A protecção das linhas de comunicação;
O combate às redes transnacionais de terrorismo, tráfico de armas, de droga e escravatura;
A participação nas alianças;
A projecção de força;
O apoio à política externa do Estado;
E a aproximação à diáspora portuguesa.
A Marinha desenvolve, igualmente, missões de interesse público, cuja actividade assenta essencialmente nas seguintes áreas:
Busca e salvamento marítimo;
Segurança marítima;
Fiscalização da pesca e combate aos ilícitos marítimos;
Preservação dos recursos marinhos e combate à poluição;
Investigação científica;
Actividade cultural.


ENGENHARIA NAVAL









A Marinha Portuguesa de 1974 até agora - um 
testemunho

18-01-2012
O que vou apresentar não é um trabalho de história, pois não sou historiador. É apenas um testemunho das minhas vivências e experiências relacionadas com a Marinha Portuguesa desde 1974 até agora, finais de 2011.

1 - Introdução
Desde há alguns anos tem vindo a aumentar o interesse pelo MAR resultando grande movimento de reuniões, seminários, congressos e natural produção de comunicações e até cursos. Incluindo a formação da Estrutura de Missão para os assuntos do Mar que tem tido ação muito efectiva no tratamento da nossa zona atlântica, mas sempre deixando para trás a MARINHA.

Aliás este assunto das riquezas potenciais dos fundos do oceano já vinha a ser tratado há bastante tempo, como por exemplo aconteceu aqui na Sociedade de Geografia com uma sessão em 1976 onde colaboraram o Alm.te Barahona Fernandes, o Dr. João Telo Pacheco e o Com.te Serra Brandão mas as autoridades políticas só mais tarde concretizaram as ações a desenvolver.




 Mar sem Marinha é pouco mais que paisagem

Com Marinha, Portugal já foi um país central.



Sem Marinha, Portugal é um país europeu periférico
(à equipa do Google, por favor não eliminem esta foto do próprio autor deste texto)"joni.francisco@cargoedicoes.pt"


E quando alguém afirma que não temos Marinha porque somos pobres, é porque está navegando com rumo errado a 180º, pois a realidade é que somos pobres porque deixámos de ter Marinha.

Até tivemos um Ministro nesta área cujo interesse pelo mar era olhar para ele no paredão e almoçar contemplando-o, o que pode ser poético e gastronómico, mas pouco eficiente para o País.

Dadas as dificuldades que o País enfrenta no fim do período contemplado neste trabalho, provavelmente poucas vezes, ou até talvez nunca, foi tão importante observar o passado a pensar no futuro, pois só corrigindo os erros cometidos no passado, poderemos sobreviver com independência e melhorar o nosso nível de vida, de forma sustentada.

E esta realidade foi uma das razões que me trouxeram aqui e roubar-vos estes minutos. Além de que tenho a consciência de que a minha carreira já vai longa e tudo o que é humano é transitório.

Como disse Fernando Pessoa:

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.

Devo dizer-vos que várias vezes em que tive oportunidade de apresentar comunicações na Academia de Marinha, afirmei ser a Armada o último reduto da resistência à onda de destruição da Marinha, que assolou este País nestas últimas décadas, e acrescento agora, pela influência de três is nefastos: ignorância, inércia, inveja. E que tanta influência tiveram na génese da atual situação que atravessamos.

Mas antes de iniciar devo explicar o que entendo por Marinha Portuguesa pois se alguém consultar a “net” vai ter acesso apenas à Armada, o que tem alguma razão de ser, pois a nossa Marinha Mercante atual é quase nada, a Marinha de Pesca tem vindo a diminuir e a de Recreio está a 20% do que devia e continua a ser muito mal compreendida e mal tratada.

Por que razão ou razões passámos da situação, na minha opinião invejável, de termos um “cluster” da Marinha, entendido e praticado como o conjunto das várias Marinhas civis e a Marinha de Guerra, ou seja, a Armada, há séculos e com provas dadas, e de repente, tudo é apagado e rapidamente desaparece?

A Marinha, nesta definição antiga, sofreu as consequências do nosso atrasocientífico, tecnológico e industrial que se verificou no século XVIII e se arrastou ao longo do século XIX, atraso este que só começou a ser recuperado após as primeiras décadas do século XX, com o início do desenvolvimento do ensino técnico de que o Instituto Superior Técnico (1911) é provavelmente o melhor exemplo.

Assim, como consequência natural deste atraso, a nossa Marinha arrastou-se penosamente até à segunda guerra mundial – de 1939 a 1945- em que as suas fraquezas provocaram uma reação do Governo, expresso na formação de empresas nacionais no ramo energético e ao célebre despacho 100, do então Ministro da Marinha Américo Tomás, que foi a base da nossa nova Marinha Mercante, a qual em 1974 ocupava lugar significativo no transporte Marítimo mundial e estava em progresso como terceira bandeira, em particular nos casos da E. Nacional de Navegação, da Insulana e da Soponata.

Aqui ainda há mais uma explicação para uma pequena discrepância entre o título e o texto, pois no primeiro está a data 1974, em que se verificou a mais profunda alteração da estrutura da nossa Marinha, e no segundo verifica-se o seu início em 1971 que corresponde à data em que eu iniciei a minha atividade profissional nela e que julguei indispensável para se compreender a minha posição em 1974 e no que se seguiu.


NOTA DO BLOGUER:
O texto e as fotos publicados neste artigo, foram gentilmente cedidos, pela REVISTA CARGO ( www.cargoedicoes.pt), a quem fico muito grato.






"ABANDONADO". Será este o futuro do MAR PORTUGUÊS!?

Esta foto é propriedade do Fotografo José Frade, que gentilmente cedeu

 autorização escrita, para ser usada neste Blogue. 

A mesma encontra-se devidamente assinada pelo seu autor.

NOTA:- Por favor não a eliminem mais uma vez.




O que temos e não aproveitamos - MAR
(Sail-2010 Amsterdam)

 
NRP "Sagres"
Foto publicada no Grupo "A Nossa Barca"

Veleiros comerciais a chegarem a Lisboa, com carga de outros países.