Wikipedia

Resultados da pesquisa

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

COMANDANTE JOÃO BELO - LEIRIA, A SUA TERRA NATAL


Enquanto navegamos, rumo a Lourenço Marques (Moçambique), a Fragata Cte João Belo, informa os seus visitantes, o que vai acontecendo no presente, publicando o que entende ser de interesse para este  blogue.





Nome:  António da Silva Martins

E-mail: fragatajoaobelo@hotmail.com

Comandante João Belo
Sugestão:
Caros amigos, as minhas desculpas, por talvez não estar a usar o canal mais apropriado, mas foi a unica maneira que encontrei para tentar obter um esclarecimento, que para mim é importante. Sou coordenador do blogue, que está a contar a história duma fragata, que esteve ao serviço da nossa Pátria, durante 40 anos. Tive a informação, que em Leiria, existe uma rua, precisamente, a Rua Comandante João Belo. Dentro das vossas disponibilidades, desejava saber, qual a história dessa rua, para ter o nome de um notável "MARINHEIRO". O blogue a que me refiro pode ser consultado em: - (fragatajoaobelo.blogspot.com).
Os meus respeitosos cumprimentos,
António da Silva Martins



NRP  "Comandante João Belo" (1967)



O blogue da Fragata Comandante João Belo, agradece a cortesia e a preciosa colaboração, da Câmara Municipal de LEIRIA, em especial ao Sr Vereador da Cultura e Vice-Presidente dessa Câmara, Dr. Gonçalo Lopes.






Para:  fragatajoaobelo@hotmail.com (fragatajoaobelo@hotmail.com)

EXMO. SENHOR
ANTÓNIO DA SILVA MARTINS
Conforme solicitado por V. Ex.ª, informo que o topónimo supra, localiza-se na Freguesia de Leiria, com início no Largo Marechal Gomes da Costa e com fim na Rua de Alcobaça.
Informo que este arruamento, está identificado na planta da cidade de Leiria de 1809, por RUA DA ÁGUA e que por alvará do Governo Civil de 18-12-1877, foi-lhe alterada a denominação para Rua D. Fernando II.
Por deliberação camarária de 19-04-1911, passou a ser denominada por Rua Ferrer  e  por deliberação camarária de 05-01-1928, foi alterada a sua denominação para RUA COMANDANTE JOÃO BELO.
Mais informo, que o Comandante João Belo, nasceu em Leiria a 27 de Setembro de 1876, foi filho de António Pedro da Costa Belo e de Antónia Júlia de Nazaré Belo e faleceu a 3 de Janeiro de 1928.
João Belo, foi Capitão de Fragata tendo entrado nas campanhas de África. Sendo que,  a ele se deve a construção do caminho de ferro do Chai - Chai e do farol da barra do rio Limpopo.
João Belo, foi Ministro das Colónias e lançou as bases orgânicas da administração civil e financeira das províncias ultramarinas. Reorganizou a Escola Colonial de Lisboa e promulgou o Estatuto Orgânico das Missões Religiosas.
Ao dispor para os esclarecimentos necessários.
Com os nossos melhores cumprimentos,


DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO
TOPONÍMIA MUNICIPAL
CÂMARA MUNICIPAL DE LEIRIA
LARGO DA REPÚBLICA
2414 - 006 LEIRIA






Placa Toponímica-2012
(Foto de Tiago Pedrosa)

Panorâmica da Rua Comandante João Belo-2012
(Foto de Tiago Pedrosa)

LEIRIA - Do Claustro do Castelo, Vista Parcial da Cidade
Parcial view of  the City,  from the cloister of the Castle - 1974

LEIRIA - Rio Lis e vista parcial da Cidade - 1974
Lis River and partial view

LEIRIA - Vista geral da Cidade  - 1974
General view of the City


sexta-feira, 14 de outubro de 2011

FRAGATA "CTE JOÃO BELO", A sua chegada e estadia em FREMANTLE.


The distinctive WA Maritime Museum building on Victoria Quay


ESTADIA EM FREMANTLE






Logo que foi terminada a faina de atracação, o Comandante do navio LEONEL CARDOSO, Cap de Frag., anunciou à guarnição, que naquela cidade só podiam sair de bordo os marujos casados.
Esta atitude do Comandante, não foi bem recebida pelos solteiros, tendo ido falar com ele sobre tal proibição. Justificou, e bem, o facto de já ter perdido 10 elementos da guarnição, todos solteiros, e que não queria perder mais nenhum, porque tinha que ter pessoal suficiente para navegar até Moçambique!!!
O nosso comandante, a título excepcional, deixou sair um solteiro, o Albino José Leitão, Marinheiro Radarista, ( a Ninfa da Festa do Rei dos Mares), a quem pedi para me comprar dois postais ilustrados daquela cidade, os quais serão publicados, para ilustração deste artigo.
Foi uma estadia curta, e pouco apreciada por quem não pôde pôr os pés em terra firme, depois de uma navegação longa e agitada! Serviu para recuperar algumas forças e partir para a etapa seguinte, até Lourenço Marques (Moçambique).


Town Hall Fountains and Shopping Centre (1970)


Main Shopping Centre (1970)

António da Silva Martins, Marinheiro Radarista, nº 1330/66





SAÍDA DE FREMANTLE, RUMO A LOURENÇO MARQUES.

O nosso percurso de Brisbane para Fremantle (Perth), foi durante 7 dias, a nossa chegada a FREMANTLE, foi em 14/05/70, às 13h00 (5 horas de atraso).
No dia seguinte, zarpámos rumo a Moçambique (Lourenço Marques) e navegámos em mar calmo e bom tempo durante 11 dias, numa rota quase sobre o paralelo.



A Fragata João Belo, a navegar em mar calmo, rumo a Moçambique.




quinta-feira, 13 de outubro de 2011

FRAGATA “COMANDANTE JOÃO BELO” (Rumo a FREMANTLE).

Malagueiro de proa um pouco agitado



A caminho de Fremantle, durante vários dias, foi um sofrimento.
(Foto de Benigno Pombo Fernandes, Sarg. ARE)





NAVEGANDO EM MAR-CHÃO E MAR AGITADO


Como informei no texto anterior, saímos de Brisbane em 08/05/70
Depois de termos contornado a "Grande Ilha",  por sul e sueste, metemos rumo a FREMANTLE, para ali reabastecer.
Durante esta viagem o navio teve que atrasar a chegada prevista, em virtude de termos apanhado ventos de força 8 e 9 e também mar muito grosso, por vezes muito alteroso. Foi neste trajecto, que a Fragata Comandante João Belo, enfrentou as altas vagas que faziam mergulhar a proa, mantendo-se nessa posição, tremendo, durante longo tempo, até que a popa assentasse para que as hélices continuassem a desempenhar a sua função.
Mudámos algumas vezes de rumo, para fugir ao mar revolto, e navegar mais próximo da costa. Nessa altura, as ondas começaram a embater no navio pela amura de BB e um pouco mais tarde atingiam todo o BB. O inclinómetro de BB/EB, chegou a ultrapassar os 45 graus!
Já durante a noite, com o mar ainda bastante agitado, os cacifos abriam-se, as garrafas com cerveja, soltavam-se para o chão da coberta cobrindo-o de vidros e cerveja e outros líquidos e alguns camaradas eram cuspidos dos seus beliches, deslizando no chão, ao jeito do balanço das ondas, sobre o líquido derramado e os vidros. Alguns dos que conseguiram permanecer nos seus leitos, desesperados com a situação, soluçavam, agarrados a fotos de familiares!
Não registei quanto tempo navegámos com o mar tão agitado, mas logo que entrámos em zona mais calma, quase a apanhar mar-chão, o pessoal restabeleceu-se e sossegou! Este episódio foi passado na 3ª coberta, onde eu dormia.
O susto passou, a noite acabou e deitámos mãos á obra, para limpeza da coberta, varrendo os vidros e limpando o chão com o lambaz.
A nossa navegação foi durante 7 dias, a maioria deles com mar nuito agitado, atracando em Fremantle em 15/05/70.

A designação que cito, neste texto como "ILHA GRANDE", refiro-me à  Austrália como país.

É a maior ilha do Mundo e tem mais de três vezes o tamanho da Gronelândia. Este país também é apelidado de "Cotinente Ilha" e ou "ILHA GRANDE".



Inicio do sofrimento. Malagueiro de proa, a caminho de fremantle
(Foto de BENIGNO POMBO FERNANDES, Sarg. ARE.)




Sul da Austrália, rumo a Fremantle.
(Foto de Benigno Pombo Fernandes)



A Fragata João Belo no seu inicio da mudança de rumo, já com o malagueiro um pouco de amura de BB.
(Foto de Benigno Pombo Fernandes,Sarg. ARE)



A Fragata João Belo a navegar em aguas mais calmas.


Depois da tempestade veio a bonaça (Mar-chão)



A Fragata Cte João Belo, ainda na sua fase original.

António da Silva Martins, Marinheiro Radarista, nº 1330/66.