segunda-feira, 14 de maio de 2012

FRAGATA "COMANDANTE JOÃO BELO"

"HISTÓRIAS DE MARINHA E DE 
MARINHEIROS"




PRIMEIRA VOLTA AO MUNDO DO NRP"SAGRES" - 1978/1979





SAÍDA DE LISBOA  DO NAVIO-ESCOLA SAGRES - 1978


Sabia que? 
No dia 23 de junho mas de 1978 o Navio-Escola Sagres partia para aquela que foi a primeira volta ao mundo ao serviço da Marinha Portuguesa.
Imagem da Sagres fundeada no Tejo com a guarnição prestando honras ao Presidente da República, pouco antes de largar para a primeira viagem de circum-navegação.



FOTO DA PÁGINA OFICIAL DA MARINHA DE GUERRA PORTUGUESA
BRASÃO DE ARMAS DA "SAGRES"
(CRESTA)




   ACONTECEU EM NAGASAKI (JAPÃO) 



Fonte:-japan-cruise.com

OS DOIS MARINHEIROS DISTINGUIDOS EXIBINDO A SUA MEDALHA



CRÓNICA DE VICTOR MOREIRA-SGC 


VICTOR MOREIRA
SGC - TFD
Camaradas, é com muito prazer que partilho convosco uma história verídica contada na 1ª pessoa, passada na véspera de ano novo (1978/79 no decurso da 1ª Volta ao Mundo do Navio Escola "SAGRES" da Marinha de Guerra Portuguesa), no outro lado do Mundo, na cidade de Nagasaki no Japão.

Tinha saído com uns camaradas para beber uns "sákés" (aguardente de arroz tradicional, que à primeira vista aparenta ser água mas não é acreditem), e ver a vida nocturna da cidade que é soberba. Claro que regressamos com "os pés molhados a Bordo". Estava eu a despir-me para ir “carregar as baterias”, quando ouvi um chapão na água e gente a gritar, ou antes a falar mais alto, (acho que os Japoneses nunca gritam), e porque apesar da meia-noite estar já bem distante, ainda havia naturais no molhe a ver a nossa Linda “BARCA”.

Um Senhor de idade avançada e bastante corpulento que estava a admirar a “SAGRES”, descuidou-se e caiu à água, ficando em perigo de vida porque o navio devido à "calema" afastava-se e batia com alguma violência nas defensas de protecção no molhe.

Assomei-me à vigia, que nesta coberta estava a apenas 1 metro da linha de água, vi o que se passava, e foi sem hesitação, que entrei na água e puxei o Senhor para uma reentrância entre dois pilares do molhe, até que o Grupo de Serviço no convés também já em acções de Salvamento, me atirou uma bóia salva vidas amarrada a uma retenida, e fez descer pelo costado uma escada "quebra-costas".

Colocada como pude a bóia no Senhor, (era um pouco forte e não foi fácil), coloquei-o às cavalitas e lá fui eu pela escada acima ajudado pelo pessoal que puxando a retenida presa à bóia, tornou o salvamento possível.

Só então é que reparei que estava em “trajes menores”, e que a água nessa altura do ano e ainda por cima aquela hora está com os "Celsius" muito pouco aconselháveis para a prática da natação.

Foram 4 horas de baixo do chuveiro com água o mais quente possível como se nada fosse, estava em hipotermia com a pele de um tom roxo-azulado lindo.

A Televisão e repórteres fotográficos que já tinham tudo preparado a bordo para a festa de Passagem de Ano, "embandeiraram arco", e vieram logo pela manhã saber mais sobre os acontecimentos dessa madrugada e fazer a reportagem da cerimónia.

A Cidade de Nagasaki fez questão de nos distinguir, com uma Medalha Oficial e um Documento Tradicional selado, além de outras ofertas, em homenagem ao que consideraram ser um acto de bravura, oferecido pela Prefeitura/ Departamento Policia da Cidade.

Nesse dia à noite na passagem de ano a bordo, barris de Saqué enormes abundavam pelo convés da SAGRES, mas eu já não lhes dediquei assim tanta atenção, a cabeça ainda acusava " a ressaca" da véspera, havia recepção a bordo e eu estava de serviço.

Fiquei a saber que os Japoneses não brincam em serviço, quando se trata de homenagear quem por eles faz alguma coisa de relevante, já o mesmo não posso dizer dos "ilustres" do meu País, para quem estes acontecimentos embora tenham sido na altura divulgados, não mereceram qualquer atenção, nem pareceram ter impacto na Imagem do País e da sua Marinha no Estrangeiro, é esta a minha única tristeza.

Hoje olhando para as ofertas que tenho cá em casa uma medalha enorme muito bonita, e um diploma escrito em Japonês, onde algures consta o meu nome escrito nessa língua, uma foto da entrega da medalha, (onde está também o 1º Marinheiro A, que se encontrava no convés de serviço, que foi também ele agraciado), não posso deixar de reviver essa noite única, em que o destino quis que deixá-se a minha marca, em alguém desse País cuja vida ajudei a preservar.

Com mágoa penso e acredito, que se eu fosse na altura um Graduado e não um modesto 1º MAR TFD a protagonizar esta "história", que as coisas teriam sido muito diferentes. Mas isso é outra história.

Nesta, tenho a certeza que a Marinha de Guerra Portuguesa, o Navio Escola “SAGRES”, e os seus Militares, saiu trajada de “grande Gala” ao ter deixado novamente no Japão boas recordações e imagem, também devido a este singelo acontecimento.

Acredito que haja alguém ainda por lá no Japão que se recordará dessa madrugada do dia 31 de Dezembro de 1978 de boa memória.


Victor Moreira
SCH TF



OS MARINHEIROS VICTOR MOREIRA, À ESQUERDA E VIEGAS
(Esta foto é propriedade do autor do Texto-Victor Moreira)
À equipa do Google por favor informem as razões deste barramento!!!

OS MARINHEIROS VICTOR MOREIRA, À ESQUERDA E VIEGAS
(PORQUÊ???)




MEDALHA COM QUE FORAM AGRACIADOS , PELA AUTORIDADES LOCAIS
CARTA DE AGRADECIMENTO, RECEBIDA SÓ PELO VICTOR MOREIRA,
ENTREGUE PELAS AUTORIDADES DE NAGASAKI

TRADUÇÃO OFICIAL DO DOCUMENTO APRESENTADO EM JAPONÊS,
GENTILMENTE TRADUZIDO PELA EMBAIXADA DO  JAPÃO


MAIS UMA RECOMPENSA OFERECIDA PELOS JAPONESES AO
VICTOR MOREIRA (PORCELANA GENUINAMENTE JAPONESA)


TODAS AS FOTOS QUE ILUSTRAM ESTA CRÓNICA, FORAM GENTILMENTE CEDIDAS PELO PRÓPRIO AUTOR DO TEXTO, A QUEM ESTE BLOGUE AGRADECE ENCARECIDAMENTE