segunda-feira, 2 de maio de 2011

FRAGATA JOÃO BELO – Passeio turístico com cicerone






 FRAGATA JOÃO BELO - ATRACADA EM MACAU



PASSEIO COM CICERONE



Residence of  Dr. Sun  Yet Sen.
The front view of  the famous temple "Kun Yum" or  "Godedess of Mercy".
VASCO DA GAMA.   Monumento "The Discoverer of The Rout To India."




Penso que foi no segundo dia da nossa chegada que o Governo Civil de Macau, nos ofereceu um passeio com guia, de autocarro, pela cidade de Santo Nome de Deus e outros locais.

O cicerone, não era português. Provavelmente seria ocidental e fazia-se entender com facilidade na nossa língua, em todas as suas explicações.

Fizemos paragens, em fortalezas, templos, monumento ao Vasco da Gama, Ruínas de São Paulo e Porta do Cerco (fronteira) e outros locais.

Entre a fronteira chinesa e Macau, havia um espaço com cerca de 50 metros para o lado de Macau, designado na altura como terras de ninguém, onde se encontrava implantada uma pequena unidade da PSP.

Todos os turistas ficavam aquém das Portas do Cerco (os tais 50 metros). Não podiam ser portadores, naquela zona, de qualquer máquina de filmar, gravar ou fotografar.

Alguns marujos, não resistiram a essa proibição, levando consigo, ao tiracolo, as suas novas máquinas fotográficas, com a finalidade de poderem vir a ficar com uma recordação das Portas do Cerco (fronteira). Logo que a PSP os avistou, convidou-os de imediato a recolherem as respectivas máquinas, no autocarro. Dali seguimos para a Fortaleza da Guia, onde se situava também a Capela da Guia e o Farol. Daquele local podia-se avistar parte de Macau, uma zona de água e as Portas do Cerco.

O cicerone informou-nos que os chineses que queriam dar o “salto”, para Macau, muitas vezes, faziam-no sob a água, respirando por uma cana de bambu. Essas águas, além de serem bastante turvas, eram patrulhadas com frequência pelas lanchas chinesas.

Dizia o cicerone, quando nos indicou um bairro altamente degradado, onde viviam os refugiados chineses que conseguiam escapar à vigilância dos soldados, por terra ou por mar. Comentou ainda que os chineses diziam que do lado da China era o paraíso e que do lado de Macau era o inferno. No entanto nunca ninguém fugia do inferno para o paraíso!!!...